FILOSOFIA_DE_GAVETA

domingo, 13 de setembro de 2009

CRACK: O “craque” do time da morte. (*Archimedes Marques 8ª e última parte

Diante de tudo isso. Diante de todos esses fatos comprobatórios que evidenciam a realidade de que o Brasil corre sério problema de identidade racional com as drogas e em especial com o crack, só nos resta o GRITO DE ALERTA:

É preciso mudanças imediatas...

É preciso de ações governamentais rigorosas e eficientes para conter o tráfico...

É preciso que se mudem as Leis e se aplique a pena máxima ao traficante de drogas...

É preciso que haja aulas exemplificativas com mais freqüência em todas as Escolas do Brasil para conscientizar o aluno sobre o perigo das drogas...

É preciso que os pais também se posicionem com os seus filhos alertando-os sobre essa epidemia...

É preciso que o povo denuncie com mais freqüência os pontos de venda de drogas...

É preciso que a população denuncie diariamente os traficantes da sua área residencial...

É preciso que a sociedade denuncie às Corregedorias ou Ouvidorias de Polícia quando Policiais estiverem acobertando ou envolvidos com o tráfico de drogas...

É preciso de Leis mais rígidas e menos burocráticas para excluir e punir em curto prazo de tempo o Policial protetor do tráfico de drogas...

É preciso que o cidadão denuncie à Polícia, ao Ministério Público, à OAB ou órgão congênere quando souber que qualquer Autoridade ou Funcionário Público esteja envolvido com o tráfico de drogas ou com o crime organizado...

É preciso que haja mais e melhores clínicas especializadas em tratamento ao drogado à serviço do Estado...

É preciso que haja mais psiquiatras, psicólogos, terapeutas, psicanalistas e médicos especialistas com função pública para tratar dos dependentes químicos das drogas...

É preciso que haja um melhor e mais amplo engajamento das Igrejas e demais entidades religiosas em busca de soluções para amenizar o tráfico de drogas...

É preciso que haja mais escolas públicas profissionalizante para tirar o jovem das ruas e das drogas, dando-lhe uma profissão digna...

É preciso que a sociedade civil debata o tema com mais veemência e se engaje efetivamente na luta contra as drogas, contra o crack...

É preciso que se invistam mais nos setores que combatem o crime organizado, pois aí está a raiz profunda do problema do tráfico...

É preciso que haja medidas preventivas, repressivas e curativas efetivamente sérias no combate às drogas...

É preciso que haja programas educacionais efetivos para fortalecer a auto-estima do jovem no sentido de livrá-lo das drogas e levá-lo aos esportes, aos estudos...

É preciso que os Governos invistam mais no Policial pagando-lhe salário digno para melhor incentivá-lo no combate às drogas...

É preciso que os Governos invistam mais nos setores de Inteligência Policial e nos Órgãos Policiais especializados para melhor se combater o tráfico de drogas...

É preciso que se abandonem de vez as ações pirotécnicas e se criem projetos verdadeiros em todas as cidades do País para o controle das drogas...

É preciso que se formem mais craques no futebol, nos esportes, na vida, não no crack da droga ou na droga do crack!...

É desejo de todos nós, inclusive do viciado e dependente químico das drogas, do crack, viver intensamente por muito tempo, aproveitar os prazeres da vida com alegria e disposição, conviver amistosamente com os familiares e amigos, ir para onde quiser com liberdade e autonomia, e, acima de tudo, ser saudável física e mentalmente, por isso, é preciso que a presente ação apelativa seja compreendida e acatada por todos, para enfim, se chegar o cidadão e a sociedade a uma vida efetivamente menos sofrível e mais vitoriosa.


 

(*Delegado de Policia. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela UFS)

archimedes-marques@bol.com.br


 


 

Referências bibliográficas e sites pesquisados:

AMORIM, Carlos. CV e PCC: A irmandade do crime. Rio de Janeiro: Record, 2003.

MAGALHÃES, Mário. O narcotráfico. São Paulo: Publifolha, 2000.

MINGARDI, Guaracy. O Estado e o crime organizado. 1996. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1996.

BALBACH, Alfons. "Um Novo Mundo". Edição Vida Plena. Itaquaquecetuba, São Paulo, 2006.

GUISELINI, Mauro. Energia, Saúde & Qualidade de Vida. Editora Dedona. São Paulo, 2007.

Dicionário Aurélio Buarque de Holanda.

Wikipédia, a Enciclopédia livre.

Oglobo.globo.com/ veja.abril.com.br/ zerohora.clicrbs.com.br/ www.terra.com.br/
www.baguete.com.br/
www.espacoacademico.com.br/
www.brasilescola.com/
www.agenciabrasil.gov.br/
www.testededrogas.com.br/
www.jefersonbotelho.com.br/
www.adepolalagoas.com.br/
www.saude.hsw.uol.com.br/
www.priberam.pt .


 


 

3 comentários engavetados

Sr. W disse...

Perfeito... Nas escolas tem de tudo menos educação.
Nas igrejas então só condenam e não mostram soluções;
Tanto para as drogas como pra varias outras coisas. Se a educação fosse realmente planejada o caracter do brasileiro seria diferente. Veja os adolescentes de hoje...

amigodcristo disse...

Jô sempre fico muito triste em ler matérias como essa, que traz uma identidade obscura para o nosso pais, e fico mais triste em ter que reconhecer que é a verdade, o problema dobrasil é que além de ser um pais com um grande numero de usuários é também um grande contribuidor para a produçao de drogas..... amiga boa postagem ...
paz seja contigo .. Jô...te desejo uma ótima semana ....!!!

Sandra F. disse...

Essa é a continuação? Bem, eu concordo com tudo o que consta no texto, mudanças são mais do que necessárias. Sei lá, acho que enquanto não tomarem medidas sérias contra os traficantes das esquinas e também os peixes grandes, o tráfico que gera milhões não terá fim. Eu sou a favor da rota nas ruas. Mas, concordo com todos os ítens, os pais devem tomar muito cuidado com seus filhos.
Bjs.

 
BlogBlogs.Com.Br